terça-feira, 23 de abril de 2013

Por que os professores do Maranhão estão em greve? Veja os motivos

Os professores da rede estadual de ensino do Maranhão entram em greve a partir desta terça-feira (23) por tempo indeterminado. O motivo principal é a luta pela aprovação do Estatuto do Educador do Maranhão, cujo governo vem enrolando há exatamente dois anos, desde a última greve que aconteceu pelo mesmo motivo, no início de 2011.

Veja mais abaixo a lista completa de reivindicações dos professores do Maranhão

Durante todo esse tempo, representantes dos profissionais da educação, através do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Estado do Maranhão (Sinproesemma), juntamente com os técnicos do Governo do Maranhão, se reuniram por diversas vezes e construíram juntos o texto do Estatuto. Porém, mesmo depois dele estar pronto, a Governadora Roseana Sarney nunca o enviou para apreciação e votação na Assembléia Legislativa. E mais: recentemente, numa atitude covarde e antidemocrática, deu ordens para que seus técnicos, sem a participação dos professores, alterassem o texto do Estatuto que, caso seja aprovado com essas alterações, vai prejudicar todos os educadores.


Na alteração do texto, foram identificados sérios prejuízos à carreira dos educadores, entre os quais estão a exclusão do mecanismo que garantiria as progressões automáticas; retirada de gratificação de risco de morte; da gratificação para os educadores que residem longe dos seus locais de trabalho – difícil acesso; do mecanismo de redução da carga horária por tempo de serviço; exclusão da Gratificação de Atividade do Magistério (GAM) aos trabalhadores que vão se aposentar; retirada da promoção e muitos outros itens prejudiciais aos trabalhadores e à educação pública.

A greve dos professores estaduais coincide com a paralisação nacional da categoria que deve durar três dias (23, 24 e 25 de abril), período em que acontece a Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública. A paralisação será feita por todos os professores da rede pública municipal e estadual, enquanto a greve por tempo indeterminado relatada nesta matéria, somente pelos professores da rede estadual do Maranhão.

VEJA A LISTA DE REIVINDICAÇÕES DOS PROFESSORES DO MARANHÃO


• Estatuto do Educador Negociado e Consensuado, incluindo professores, especialistas e funcionários de escola;
• Imediata efetivação de 25 mil progressões, 1.500 promoções e 1.500 titulações;
• Eleição direta para diretor de escola;
• Correção do Piso Salarial aplicado linearmente na Nova Tabela Salarial;
• Ampliação do ProFuncionário;
• Gratificação de 30% para quem concluiu o ProFuncionário;
• Cumprimento integral da jornada extraclasse de 1/3;
• Nomeação dos excedentes do concurso de 2009;
• Realização de concurso público amplo com vagas suficientes para contemplar a necessidade de professores, especialistas e funcionários de escola;
• Equiparação salarial entre efetivos e contratados;
• Melhores condições de trabalho

COMENTE ESTA NOTÍCIA COM SEU PERFIL DO FACEBOOK OU SE PREFERIR, MAIS ABAIXO COM SEU PERFIL DO GOOGLE/BLOGGER - REGRAS: Não é permitido comentário sem identificação. Comentários feitos com conta Fake ou conta do Google do tipo Unknow (Desconhecido) não serão publicados. Todos os comentários são moderados previamente, por isso, não repita o mesmo comentário, pois ele só vai aparecer aqui após aprovação. Comentários com acusações e/ou palavras de baixo calão também serão imediatamente deletados e, se for o caso, o perfil pode até ser banido e não mais permitido que publique nenhum comentário. Também não é permitido comentário com nenhum tipo de publicidade.

Um comentário:

  1. É uma vergonha que os professores tenham que lutar por algo que é deles por direito. O Brasil está vergonhoso, o Maranhão é uma vergonha. O professor que é a base de toda formação, deveria ter condições dignas de trabalho, bem como uma ótima remuneração, mas não, eles tem que lutar por um mínimo de dignidade e a governadora e a mídia ainda são capazes de criticá-los. É triste!!

    ResponderExcluir