terça-feira, 12 de janeiro de 2016

"Égua mano, Belém é uma cidade muito firme!" - Por Cristiane Lopes*

Nosso país possui características marcantes em cada estado, e no Pará não é diferente. Ou melhor, é diferente sim, pois essa terra aglutina predicados que faz dela o famoso “País chamado Pará”. Nesse “país chamado Pará”, temos a sua capital, Belém. Uma cidade rica culturalmente. Cultura essa que é exaltada orgulhosamente pelo seu povo. E essa cidade amada pelo seu povo completa hoje, 12/01, 400 anos.

► COMPARTILHE NO FACEBOOK
► COMPARTILHE VIA WHATSAPP

Ah, Belém! Belém e suas peculiaridades marcantes...

Belém, a cidade que na segunda metade do século XIX era conhecida como a “Capital da Borracha”;

A cidade que no século XX foi intitulada de Paris n’América;


A cidade que foi pioneira em muitos aspectos, sendo a primeira no Brasil a receber energia elétrica;

A cidade que tem o melhor Chá das 5: o tacacá da Dona Maria;

A cidade que possui uma sorveteria intimamente paraense: a Cairu;

A cidade que tem o melhor Guaraná da Amazônia na Praça Brasil;

A cidade que vende o melhor peixe frito com açaí e farinha no mercado do Ver-o-peso;

A cidade das erveiras, que vendem as essências tipicamente paraenses no Ver-o–peso;

A cidade que dança e, literalmente, “Treme” ao som dos seus próprios ritmos musicais: o Carimbó, Lundu, Siriá, Brega, Brega pop do Calypso, do Tecnobrega/Melody/Eletromelody/Cyberbrega e da Guitarrada;

A cidade que possui um palavreado próprio com expressões típicas e um sotaque que mistura os idiomas Português e Paraense;

A cidade que valoriza os times locais e futebolisticamente está entre as maiores rivalidades do mundo por causa dos times Paysandu e Remo;

A cidade que faz do Natal Paraense a época do Círio de Nazaré;

A cidade que recebe a chuva em horários característicos. O povo paraense sempre repete: “Olha a chuva aí. É o horário dela.”





A cidade do portal, mangal, dos barcos, da estação... A cidade dos paraenses, como toda cidade brasileira, também sofre com mazelas crônicas. Entretanto, isso não minimiza a riqueza que Belém oferta. A cidade que contempla a natureza e o progresso, o cultural regional e nacional.

A cidade de um povo que sofre com as políticas públicas faltosas, mas esse mesmo povo não cansa de exaltar o amor pela cidade deles, pela cultura deles.

Um povo que não sente vergonha dos mitos que permeiam o estado, como: a cidade dos índios, só existe oca por lá, criam jacarés de estimação e sobrevivem apenas alimentando-se de tacacá e açaí.

Dizem que “chegou ao Pará, parou. Tomou açaí, ficou”. É bem assim mesmo, porque “égua, mano, pense numa cidade firme essa Belém city”!
____________________________________
*Cristiane Lopes é acadêmica do 8º período do curso de Pedagogia - CESB/UEMA, estagiária na Supervisão Pedagógica no SENAC-BAC, redatora oficial do Colégio Reis Magos, colunista do site Castro Digital e dos blogs Atitude Motivacional e PIBID Foco e Ação-UFMA. “Educadora enquanto profissão, Psicóloga de coração e Escritora por amor.”

COMENTE ESTA NOTÍCIA COM SEU PERFIL DO FACEBOOK OU SE PREFERIR, MAIS ABAIXO COM SEU PERFIL DO GOOGLE/BLOGGER - REGRAS: Não é permitido comentário sem identificação. Comentários feitos com conta Fake ou conta do Google do tipo Unknow (Desconhecido) não serão publicados. Todos os comentários são moderados previamente, por isso, não repita o mesmo comentário, pois ele só vai aparecer aqui após aprovação. Comentários com acusações e/ou palavras de baixo calão também serão imediatamente deletados e, se for o caso, o perfil pode até ser banido e não mais permitido que publique nenhum comentário. Também não é permitido comentário com nenhum tipo de publicidade.

0 comentários: