segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Casal vende filhos para gastar o dinheiro com jogos

A China é um dos países que mais cresce economicamente no mundo. Junto com isso, aumenta também a pirataria e negócios bizarros. Por exemplo, há comércio de orgãos humanos como rins e venda de virgindade em troca de aparelho tecnológico. Recentemente, foi criado o comércio de crianças: um casal vendeu os vilhos para arrecadar dinheiro para gastar em jogos eletrônicos.

Li Lin e Li Juan se conheceram em 2007 e logo descobriram uma paixão incondicional, os jogos eletrônicos. Após um ano de união veio o primeiro filho, no ano de 2009, nasceu uma menina. A menina foi a primeira a ser vendida, pelo valor medíocre de 500 dólares.


Após gastar o dinheiro em jogos, e sem mais uma renda, resolveram comercializar o menino, desta vez o valor foi mais alto, 4,6 mil dólares. Após, nasceu a terceira filha que, acabou tendo o mesmo destino que seus irmãos, foi vendida.

Este comércio só acabou quando a mãe do pai fez uma denúncia do casal. Mesmo assim, o unido casal não mostrou arrependimento do ato apenas disseram que “Não queríamos educá-los, só vendê-los por algum dinheiro”. Infelizmente mais um absurdo a ser repassado, se bem que, se essas crianças caíram em boas mãos, deverão ter pais bem mais comprometidos que os biológicos.


RECOMENDE ESTA NOTÍCIA PARA SEUS AMIGOS NO FACEBOOK
COMENTE ESTA NOTÍCIA COM SEU PERFIL DO FACEBOOK OU SE PREFERIR, MAIS ABAIXO COM SEU PERFIL DO GOOGLE/BLOGGER - REGRAS: Não é permitido comentário sem identificação. Comentários feitos com conta Fake ou conta do Google do tipo Unknow (Desconhecido) não serão publicados. Todos os comentários são moderados previamente, por isso, não repita o mesmo comentário, pois ele só vai aparecer aqui após aprovação. Comentários com acusações e/ou palavras de baixo calão também serão imediatamente deletados e, se for o caso, o perfil pode até ser banido e não mais permitido que publique nenhum comentário. Também não é permitido comentário com nenhum tipo de publicidade.

Um comentário: