segunda-feira, 2 de maio de 2011

Morte de Osama bin Laden congestiona sites de notícias

A notícia sobre a morte de Osama bin Laden resultou um pico no tráfego on-line com usuários em busca de informações em sites de jornalismo. O índice Akamai, que mede o tráfego nos principais sites de notícias no mundo, registrou o pico de 4,1 milhões de visualizações de páginas por minuto às 23h de domingo (horário dos Estados Unidos), quando o presidente Barack Obama fez o anúncio sobre a morte na TV.


Segundo o Akamai, o número representa um aumento de 28% na América do Norte e de 24% em todo mundo, se comparado com as médias para o mesmo período. No entanto, conforme o site “Boston.com”, o número não está nem perto dos maiores recordes do Akamai. Na semana passada, por exemplo, o casamento do príncipe William gerou 5,3 milhões de visualizações de site de notícias por minuto.

O site “Mashable” informou que o índice Akamai mede apenas sites de notícias. Mídias sociais também apresentaram um enorme crescimento no tráfego on-line. O Twitter disse ter recebido 4 mil tuítes por segundo no horário do anúncio de Obama. De acordo com a CNN, o volume de tuítes em torno da notícia pode ser o segundo ou o terceiro maior da história do microblog.
________________
Referência: Portal G1.


RECOMENDE ESTA NOTÍCIA PARA SEUS AMIGOS NO FACEBOOK

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES DO SITE
COMENTE ESTA NOTÍCIA COM SEU PERFIL DO FACEBOOK OU SE PREFERIR, MAIS ABAIXO COM SEU PERFIL DO GOOGLE/BLOGGER - REGRAS: Não é permitido comentário sem identificação. Comentários feitos com conta Fake ou conta do Google do tipo Unknow (Desconhecido) não serão publicados. Todos os comentários são moderados previamente, por isso, não repita o mesmo comentário, pois ele só vai aparecer aqui após aprovação. Comentários com acusações e/ou palavras de baixo calão também serão imediatamente deletados e, se for o caso, o perfil pode até ser banido e não mais permitido que publique nenhum comentário. Também não é permitido comentário com nenhum tipo de publicidade.

0 comentários: